MUDESU- Mulheres Detetivesdo Sudeste

terça-feira, 22 de março de 2016

Sophye compartilha o texto de Rhamita Thara Jordão -Ritos Tibetanos

Ritos Tibetanos numa releitura,  por  Rhamita Jordão




Os Cinco Ritos Tibetanos são  exercícios corporais poderosos que restabelece toda a energia vital em poucos dias de prática.
Como praticante dos ritos a alguns anos, e, à partir de minha formação como terapeuta corporal holistica e professora de Educação Física,  observando os ritos,  senti a necessidade de integrar alguns exercícios compensatórios e complementares; de consciência corporal e alongamento e dar ênfase na respiração.  Então, criei o "Circuito Zen Tibetano 11:11(CZT 11:11),  Trabalha com onze repetições de cada exercício, duas vezes, em circuitos.
Os ritos tibetanos trabalham,  basicamente no eixo do corpo, sobre a coluna vertebral, e o Circuito Zen Tibetano 11:11, com os exercícios suaves de respiração consciente,  alongamento e relaxamento promove um bem-estar ainda maior pelo relaxamento que oferece.
Os Ritos Tibetanos foram descobertos pelo ocidente em 1939, sendo hoje praticados no mundo inteiro.  São chamados de "A fonte da Juventude ". Trabalham no corpo estimulando o sistema glandular, os principais centros de energia do corpo, denominados de Chakras, com alongamentos ativos e exercícios isometrícos (de contração). A idade e a ociosidade produzem uma desvitalização desses centros e os ritos tibetanos recuperam isso rapidamente. 
A Prática dos Ritos:
O primeiro Rito é o giro.
De pé, ereto, braços estendidos para os lados, quadril encaixado, girar da esquerda para direita, de olhos abertos, mantendo a consciência na respiração e olhando sempre à frente até completar 360¤. Começar com três giros até chegar a 21 vezes. O corpo precisa se adaptar aos exercícios. 
Segundo rito:
Deitada de costas,  braços estendidos ao longo do corpo, palma das mãos voltadas para baixo, dedos unidos. Inspirando,  erga a cabeça até encostar o queixo no externo e ao mesmo tempo levante as pernas, com os joelhos estendidos, até ficarem na vertical,  respirando.   Retorne a posição inicial e relaxe, Retomando novamente o exercício.
Terceiro Rito:
Feito com os joelhos e os artelhos apoiados no chao,  o corpo ereto e os braços estendidos ao lado do corpo,  palma das mãos junto à lateral das coxas. Inspirando,  incline a cabeça até encostar o queixo no externo, em seguida leve a cabeça e todo o corpo para trás,  deslocando as mãos para trás das coxas, apoiando o movimento. Retorne a posição Inicial e recomece o exercício.
Quarto Rito:
Comece sentada com as pernas estendidas e afastadas cerca de quarenta centímetros,  o tronco ereto e as mãos apoiadas no chão ao lado do quadril, dedos voltados para frente. Inspirando, flexiona a cabeça a frente até o queixo tocar o externo.  Em seguida erga o corpo do chão, erguendo a cabeça para trás,  enquanto os pés apoiam o chão, juntamente com as mãos,  formando uma espécie de mesa com o tronco e as coxas. Sustente em contração a postura por segundos e retorne lentamente a posição inicial, recomeçando novamente o exercício.
Quinto Rito:
Deitada de abdômen para baixo, palma das mãos  apoiadas ao lado dos ombros e voltadas para frente,  dedos dos pés, também apoiados no chão. Inspirando, erga o corpo do chão com ênfase na cabeça e tronco, mantendo os braços e as pernas estendidos,  apoiados no chão pelas mãos e pés. Em seguida,  elevar o quadril,  formando um "V" invertido com o corpo, de forma que o calcanhar também toque o chão. Voltar a posição inicial, relaxar e recomeçar o exercício.
Os Ritos Tibetanos tem uma proposta de prática diária para se atingir uma performance ideal como 'fonte de juventude'. Como é indicado para pessoas acima de cinquenta anos, a sugestão é que a pessoa comece com um mínimo de três repetições para cada rito e vá aumentando semanalmente até chegar as 21 repetições para cada um,  praticando assim a sequência completa.
Nossa Releitura dos Ritos:
Em nossa releitura dos Ritos Tibetanos, inicialmente, demos ênfase na respiração. Incluímos três respirações conscientes para cada exercício e aumentamos o número de vezes para 22 vezes. Em seguida,  observamos a necessidade de integrar outros exercícios compensatórios entre cada rito. São exercícios que visam suavizar o impacto físico dos Ritos na coluna e musculatura dorsal. À partir de então,  dividimos os exercícios em dois circuitos de onze e chegamos ao novo programa que é o Circuito Zen Tibetanos 11:11.
No trabalho de Ginástica Holística que estamos desenvolvendo dentro do "Projeto Afetividade com sustentabilidade" na Associação, Amavag,  inicialmente,  estamos criando condições físicas com o grupo, que apresenta bastante limitação para começar praticando os ritos.
O Projeto como um todo, visa melhorar a qualidade de vida das pessoas, sob todos os aspectos;  físico, emocional, mental e espiritual.

Um comentário:


  1. on head and torso, keeping your arms and legs extended, on the floor by the hands and feet. Then, raise the hip, forming an inverted "V" with the body, so that also the heel touches the ground. Return to starting position, relax and repeat the exercise.
    Rites Tibetans have a proposal for daily practice to achieve optimal performance as 'Fountain of Youth'. As is indicated for people over fifty years, the suggestion is that the person starts with a minimum of three replicates for each rite and then increase weekly until you reach the 21 repetitions for each, so practicing the complete sequence.
    Our Rereading of Rites:
    In our reinterpretation of Rites Tibetans initially we focus on the breath. We included three conscious breaths for each exercise and increase the number of times to 22 times. Then we see the need to integrate other compensatory exercises between each rite. Are exercises designed to soften the physical impact of Rites in the spine and back muscles. From then divide exercises in two of eleven circuits and we got to the new program is the Zen Circuit Tibetan 11:11.
    In Holistic Exercise work we are doing within the "Affection design with sustainability" in the Association, Amavag initially are creating physical conditions with the group, which has a very limited to start practicing the rites.
    The project as a whole aims to improve the quality of life, in all respects; physical, emotional, mental and spiritual.










    ResponderExcluir