ABRASOL - Agência Brasileira de Aprendizagem e Soluções

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Cadastro de dominio Google

registro de domínio

Sophye Escreve

Por mais simples que seja a missão de alguém, se em sua passagem tiver deixado o mundo mais bonito, nem que seja plantando uma arvore, já terá feito sua alma crescer no plano evolutivo, pelo menos um pouquinho. Portanto, a cada ser humano cabe buscar a excelência, a partir dos talentos que recebeu de Deus. Não o impossível, mas o melhor. Isso é excelência ! “


http://www.youtube.com/watch#!v=MdW51kYpkBc&feature=related

hospedando um site

http://www.youtube.com/watch#!v=MdW51kYpkBc&feature=related

Alemão Aulas

segunda-feira, 12 de julho de 2010

passos para iniciar-se Xamanismo com Sophye

Trabalho xamânico é a viagem por mundos invisíveis à realidade ordinária, o trabalho como canal de cura, o conhecimento do poder das plantas, pedras, dos espíritos animais e seres da natureza. Também a devoção à Criação: O Sol, a Lua, as Estrelas, o reconhecimento da presença de Deus em todas as manifestações do Universo.





Primeiro Passo

Apresentação-Cerimônia de Limpeza e Purificação - Palestra de Xamanismo -Os estados alterados de consciência-Mundo Subterrâneo, Intermediário, Superior. Realinhamento, com os ancestrais/Todas as Nossas Relações Rito de Intenção-Desafio: Permitindo o “novo” entrar na vida.



Segundo Passo

O Poder da Concentração / Meditação / Preces -Consciência Xamânica / Banho Sagrado

Honrando as raízes familiares-Programações Mentais.

Curando traços negativos da ancestralidade-Em busca da jornada da alma

O Poder dos círculos. Montando altar de 4 direções -Jornada ao Mundo Subterrâneo – A Partida

Desafio: Desapego

Águia solitária - Barro Sagrado - Sophye Baginski



Solicite por e-mail o programa de iniciação.

Sophye Baginski- Xamanismo não fazemos rituais com Doutrina "Santo Daime

Doutrina "Santo Daime

Amigos, respeito todas as doutrinas, mais meu trabalho não inclui a Doutrina acima.

Trabalho extraido do site"Xamanismo"

Nosso xamanismo, Águia Solitária, é fruto de um trabalho coletivo, amam a terra que nós habitamos, amam o Templo, a doutrina, a natureza, suas famílias, enfim, compartilham um mesmo sonho. O sonho de uma vida em comunidade auto-sustentada, próspera, habitada de maneira ecologicamente responsável, resgatando os valores espirituais e as virtudes humanas, que o homem vem perdendo por conta de um progresso.



Acreditamos que o verdadeiro equilíbrio está na capacidade de respeitar a si mesmo, as ordens Animal, Vegetal e as cadeias de equilíbrio.


“Por mais simples que seja a missão de alguém, se em sua passagem tiver deixado o mundo mais bonito, nem que seja plantando uma arvore, já terá feito sua alma crescer no plano evolutivo, pelo menos um pouquinho. Portanto, a cada ser humano cabe buscar a excelência, a partir dos talentos que recebeu de Deus. Não o impossível, mas o melhor. Isso é excelência ! “


(extraído do www.xamanismo.com.br)


"Excelência" é poder viver a vida ao ritmo de cada estação. A natureza cria as regras, aprendemos a navegar nas marés, a aquietar no inverno, a colocar em ação no verão, iniciar na primavera e colher no outono.

Borboleta- - - Será seu tóten? (sophye Baginski)


São insectos da ordem Lepidoptera



classificados nas super-famílias






Hesperioidea e Papilionoidea,






que constituem o grupo informal






Rhopalocera.






As borboletas têm dois pares




de asas membranosas cobertas






de escamas e peças bucais






adaptadas a sucção.






Distinguem-se das traças






(mariposas) pelas antenas rectilíneas






que terminam numa bola, pelos



hábitos de vida diurnos, pela metamorfose



que decorre dentro de uma



Quando em repouso, as borboletas



dobram as suas asas para cima

águia e Borboleta -por Sophye Baginski -refletindo sobre o Tóten

alimentam-se quase exclusivamente de carne fresca,
que conseguem atacando animais vivos.
Caçam de dia, aguentando sucessivas horas

de voo e atingindo grandes alturas.

A fêmea é maior e mais bela que o macho.

Um dos seus géneros é a Águia real,
que se encontra nas nossas serras do Marão
e da Estrela, vivendo também, entre nós. A Águia real,
preta ou doirada, é a maior espécie conhecida, alcançando 95
centímetros de comprimento e dois metros de envergadura.
Vive acasalada e macho e fêmea caçam juntos,
fazendo grande devastação nos pequenos mamíferos e aves



São insectos da ordem Lepidoptera


classificados nas super-famílias -
Hesperioidea e Papilionoidea,


que constituem o grupo informal

Rhopalocera.As borboletas têm dois pares
de asas membranosas cobertas -
de escamas e peças bucais-adaptadas a sucção.
Distinguem-se das traças -(mariposas) pelas antenas rectilíneas
que terminam numa bola, pelos hábitos de vida diurnos, pela metamorfose
que decorre dentro de uma .Quando em repouso, as borboletas
dobram as suas asas para cima

Vamos descobrir através dos portais o nosso Totén.

The Best of Russian - Easy Tour

Características do Totén - Sophye Baginski - Águia solitaria

Totem é uma palavra dos Peles Vermelhas e designa simplesmente o “Brasão” ou as “Armas” que a família o traz. O “Brasão” era pintado ou cravado na maioria dos objectos usados pelo proprietário.







As famílias dos Peles Vermelhas da América mandavam esculpir os seus Totens, quando podiam. Geralmente, eram altos pilares ou postes de cedro admiravelmente trabalhados. O “Brasão” ficava no elmo e em geral era um animal selvagem, ave ou peixe.






Os índios tinham-no como talismã e acreditavam que velava por eles e os protegia

TOTEN - Sophye Baginski

Um totem ou tóteme é qualquer objeto, animal ou planta que seja cultuado como Deus ou equivalente por uma sociedade organizada em torno de um símbolo ou por uma religião, a qual é denominada totemismo. Por definição religiosa podemos afirmar que é uma etiqueta coletiva tribal, que tem um caráter religioso. É em relação a ele que as coisas são classificadas em sagradas ou profanas. Segundo Schoolcraft, analisando os termos dos totens tribais da América do Norte, "o totem, diz ele, é na verdade um desenho que corresponde aos emblemas heráldicos das nações civilizadas e que cada pessoa é autorizada a portar como prova da identidade da família à qual pertence. É o que demonstra a etimologia verdadeira da palavra, derivada de 'dodaim', que significa aldeia ou residência de um grupo familiar".


divuldando.wmv

sábado, 10 de julho de 2010

Xamanismo - Sophye Baginski

Postal russo baseado em uma foto tirada em 1908 por S.I. Borisov, mostrando uma mulher xamã provavelmente da etnia Khakas.

Pesquisas feitas:
DURKHEIM, E. As formas elementares da vida religiosa. SP, Paulinas, 1989
ELIADE, Mircea. Xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. São Paulo: Martins Fontes, 2002
MAUSS, Marcell Esboço de uma teoria geral da magia in Sociologia e antropologia (com introdução de Lévi-Strauss). SP, Cosac Naif, 2003
DEAN, Bartholomew 2009 Urarina Society, Cosmology, and History in Peruvian Amazonia, Gainesville: University Press of Florida ISBN 978-081303378 [1]
Langdon, E.J.M. (org.). Xamanismo no Brasil, novas perspectivas. UFSC, 1996.
Bastide, Roger. Candomblé da Bahia, rito Nagô. São Paulo , Companhia Editora Nacional, 1961. 370 p. (Brasiliana, v. 313).
Bruce, Albert. O ouro canibal e a queda do céu: uma crítica xamânica da economia política da natureza, in: Albert, Bruce & Ramos, Alcida R. 2002 Pacificando o Branco. Cosmologias do contato no norte amazônico, São Paulo: Editora UNESP
Coelho, Vera Penteado, Os alucinógenos e o mundo simbólico. SP, EPU Ed.USP, 1976
Lévi-Strauss, C. O Pensamento Selvagem São Paulo, Companhia Ed Nacional, 1976
Martius, C.F.P. von. Natureza, doenças, medicina e remédios dos índios brasileiros, 1844. SP Cia Ed Nacional - Brasiliana, 1939
Metraux, Alfred. A religião dos tupinambás e suas relações com as demais tribos tupi-guaranis. SP, Ed Nacional (Brasiliana 267), Ed. USP, 1979
Needleman, J.; Lewis D.. No caminho do auto conhecimento, as antigas tradições religiosas do oriente e os objetivos e métodos da psicoterapia. SP, Pioneira, 1982
Sangirardi Jr. O índio e as plantas alucinógenas. RJ, Alhambra, 1983
Villas Boas, Orlando. A arte dos pajés, impressões sobre o universo espiritual xinguano. SP, Globo, 2000



Sophye baginski- Xamanismo


A palavra xamã vem do russo, tungue saman corresponde à práticas dos povos não budistas das regiões asiáticas e árticas especialmente a Sibéria (região centro norte da Ásia). Apesar, como assinala Mircea Eliade da especificidade dessas práticas na região (em especial as técnicas do êxtase dos tungues, Iacutes, mongóis, turco-tártaros etc.), não existe, contudo origem histórica ou geográfica para o xamanismo como conhecido hoje, tampouco algum princípio unificador. Outros nomes para sua tradução seriam feiticeiros, médico-feiticeiros, magos, curandeiros e pajés.


Antropólogos discutem ainda na definição xamanismo a experiência biopsicossocial do transe e êxtase religioso bem como as implicações sociais da definição do xamanismo como fato social, uma tradição equivalente à magia enquanto prática individualizada relacionada aos problemas e técnicas e ciência da sobrevivência cotidiana (agricultura, caça, medicina, etc.) ou ao fenômeno religioso, abstrato, coletivo, normatizador. (Dukheim, Mauss)

O xamanismo é constante em diversas manifestações indígenas brasileiras. A palavra "pajé", de origem Tupi, se popularizou na literatura de língua portuguesa em referência ao xamã. Seu estudo, descrições de caso e comparação, tem sido recomendado para facilitar a implementação de práticas de assistência à saúde culturalmente adequadas no Brasil a cerca de 4.000 índios pertencentes a 210 povos sob a responsabilidade da FUNASA - Fundação Nacional de Saúde desde agosto de 1999
Xamanismo ou Pajelança – Comunicação com os encantados e entidades ancestrais através de cânticos, danças assim como nos índios Guarani Kaiová e utilização de instrumentos musicais (maracá, zunidores) para captura e afastamento de espíritos malignos tipo mamaés, anhangás, utilização do jejum, restrições dietéticas, reclusão do doente, além de uma série de práticas terapêuticas que incluem: o uso do tabaco (o pajé fuma grandes cachimbos) e outras plantas psicoativas, aplicação de calor e defumação, massagens, fricções, extração da doença por sucção/ vômito, escarificação no tórax e locais inflamados com bico, dentes de animais ou fragmentos de cristais
No Brasil rural e urbano, apesar da tradição multi-étnica dos ameríndios, observa-se a presença dessas práticas médicas-religiosas em comunhão com rituais católicos e espiritualistas de origem africana. Esse xamanismo é conhecido em algumas regiões como pajelança cabocla, culto aos encantados, toré, catimbó, candomblé de caboclo, em rituais de
umbanda, culto a Jurema sagrada.
Atualmente no Brasil existem várias vertentes de neo-xamanismo ou
xamanismo urbano, entre estas linhas diversos grupos se reúnem para estudar e trocar conhecimentos sobre o tema.




Rituais Xamânicos




Ritual é qualquer ação realizada com uma intenção e que torna possível o crescimento de nossa energia vital e conexão com um determinado objeto, podendo ser este objeto Deus, um santo ou qualquer outra coisa como cura, prosperidade, amor, compaixão, etc. A repetição dos rituais aumenta cada vez mais nossa conexão com o objeto do ritual. Os rituais Xamânicos Ancestrais são realizados para celebrar nosso Calendário Sagrado, bem como para atender todos os interessados em curas xamânicas e no bem estar na alma! Os rituais Xamânicos Ancestrais fornecem-nos um aumento gradativo de nossa percepção acerca de nós mesmos e do Universo em que estamos inseridos, assim como também proporciona a auto-cura de nossas consciências e padrões negativos de comportamentos que adquirimos no caminhar da vida. Todos os rituais possuem um tempo inicial e final. Muitos de nossos rituais começam em sonhos e visões. E muitos de nossos rituais são dirigidos por espíritos mentores e guias espirituais.

Ritual de Shiva Shiva é um Deus ("Deva") Hindu, o Destruidor ou o Transformador, integrante da Trimurti (trindade) juntamente com Brahma, o Criador, e Vishnu, o Preservador. Shiva representa o ciclo completo do processo de geração, destruição e regeneração. Existem mil e oito nomes nas escrituras védicas para se referir a Shiva, sendo as mais conhecidas: Mahesha, Mahadeva, Pashupati, Nataraja, Shambo, Shankara, Ardhanaríshvara, Rudra, Bhava, Sarva, Ishan, Bhima e Ugra. No Xamanismo Ancestral, Shiva é a figura mais importante, não apenas por representar o Pai do Xamanismo Ancestral, mas por possuir essencialmente múltiplas formas e aspectos em um único poder divino. Sua simbologia é altamente venerada. O aspecto Shankara é a forma xamã de Shiva, que o representa como sendo um grande índio Hindu e o maior devoto do Grande Espírito. Sua cor é o Rubi-Violeta. O RITUAL DE SHIVA é celebrado a cada Lua Nova em todo o mundo, não apenas pelos xamãs ancestrais, mas por todos os devotos do Senhor Shiva. Neste ritual é realizado o puja devocional. O puja é um ato de purificação, limpeza e devoção à Shiva, são entoados seus sutras, stotras e mantras secretos em sânscrito e são oferecidos os quatro elementos (ar, fogo, água e terra), flores de cor violeta e alimentos como reconhecimento das virtudes plenas de Shiva para que sejam derramadas bençãos, cura, transformação, transmutação, regeneração e destruição da ignorância. Este é um ritual de poder, pois a Lua Nova tem a capacidade de iniciar o ciclo de geração de tudo que acontece em nossas vidas. Neste ritual Shiva Shankara promete mudanças significativas em sua vida através da Bebida Sagrada dos Xamãs, Ayahuaska.

topo

Maha Ritual de Kali A Deusa KALI é a personificação da impiedosa fúria feminina e sempre deixa um rastro de destruição por onde passa, Ela é uma das três esposas do Senhor Shiva, o Grande Deus do Universo. Várias escrituras descrevem Suas formas, Sua iconografia é explicada em detalhes em textos como o Karpuradi Stotram e o Maha Nirvana Tantra. Situada, em geral, no meio do campo crematório, Ela nos relembra da transitoriedade de todos os fenômenos e da inevitabilidade da morte. Seus longos cabelos emaranhados nos remetem às algemas da ilusão (Maya), que faz com que acreditemos na realidade absoluta deste universo. Seus três olhos indicam seu conhecimento do presente, passado e futuro. Sua imensa língua esticada e Seus dentes afiados demonstram Sua capacidade de devorar inúmeros universos. Sua guirlanda formada por 50 (cinqüenta) cabeças decepadas representa as 50 (cinqüenta) letras do alfabeto Sânscrito, ou seja, todo o conhecimento que pode ser descrito através de palavras. Seu saiote de mãos humanas representa todas as ações que o homem pode realizar, por serem as mãos o principal veículo do Karma; por exceção deste saiote, Ela apresenta-se nua, inalterada, original, coberta apenas pela aparência das ações humanas. Ela é representada sobre o Senhor Shiva, que permanece imóvel, demonstrando então o jogo (liilaa) entre o aspecto estático (na forma do Senhor Shiva) e dinâmico (na forma da Mãe Kaalii) do universo. Com Seu braço superior direito Ela segura o facão sacrificial (khadgam); Seu braço superior esquerdo segura uma cabeça (mundam); com Seu braço inferior direito Ela segura um tridente (trishulam) e Seu braço inferior esquerdo segura um pote com o fogo sacrificial (Senhor Agni). Com um profundo significado simbólico Seus quatro braços demonstram os atos de uma alquimia universal que leva o homem à libertação (moksha ). Sua cor é o preto e o vermelho. O MAHA RITUAL DE KALI é celebrado a cada Lua Cheia pelos xamãs ancestrais e por todos os devotos de Mãe Kali. Neste ritual é realizado o puja devocional. O puja é um ato de purificação, limpeza e devoção à Mãe Kali, são entoados seus sutras, stotras e mantras secretos em sânscrito e são oferecidos os quatro elementos (ar, fogo, água e terra), flores de cor vermelha e alimentos como reconhecimento das virtudes plenas de Mãe Kali para que sejam derramadas suas bençãos, afastando de nós espíritos trevosos e malévolos. Este é um ritual de exorcismo, de quebra de feitiçaria, macumba e trabalhos de magia negra. A Lua Cheia possui a atmosfera perfeita para realização de rituais de exorcismo, seja ele psíquico, energético, emocional, mental ou espiritual.

IV Encontro holístico de Conservatória RJ- Brasil - Dir. Rhahmita Jordão - Ritual com Sophye Xamanismo


Ritual é qualquer ação realizada com uma intenção e que torna possível o crescimento de nossa energia vital e conexão com um determinado objeto, podendo ser este objeto Deus, um santo ou qualquer outra coisa como cura, prosperidade, amor, compaixão, etc. A repetição dos rituais aumenta cada vez mais nossa conexão com o objeto do ritual.

Sophye Baginski e o Xamanismo


Os rituais Xamânicos Ancestrais fornecem-nos um aumento gradativo de nossa percepção acerca de nós mesmos e do Universo em que estamos inseridos, assim como também proporciona a auto-cura de nossas consciências e padrões negativos de comportamentos que adquirimos no caminhar da vida. Todos os rituais possuem um tempo inicial e final. Muitos de nossos rituais começam em sonhos e visões. E muitos de nossos rituais são dirigidos por espíritos mentores e guias espirituais.

Sophye Baginski e o Xamanismo

O Xamanismo Ancestral é a prática espiritual mais antiga da humanidade e possui suas raízes no Oriente. Evidenciada atualmente pelas remanescentes escolas espirituais, místicas, esotéricas, iniciáticas e tradições tribais da Índia, como os Nagas, Shivaístas, Shaivistas, Yóguis, Shantals, Gonds, Bhils, Khasis, grupos tribais da Índia Central, das Ilhas Nicobar no Golfo da Bengala e Sri Lanka, grupos tribais do Nepal, como os Jhankris, Tamangs, Boudhas e grupos tribais do Tibet, como os Menbas, Lobas, Drungs e Xiaerbas.Os proto-astralóides, influenciaram todo o modo de vida dos indianos, assim como o desenvolvimento de sua cultura. Existem diversas constatações que esses primeiros aborígenes foi quem influenciaram muito profundamente a formação de todo o indianismo e Hinduísmo, étnica e lingüísticamente. Mesmo ainda sendo nomeados como “povos da idade das pedras”, a cultura que desenvolveram serviram como base para muitas civilizações modernas, e seu primitivismo, de certa maneira, transforma as concepções mais atuais em imaturas, pois esta primeira tradição tinha alto grau de refinamento e uma profunda sensibilidade das realidades vísiveis e invisíveis. Mesmo vivendo um estilo de vida voltado à natureza, eles não eram selvagens, e ainda por cima, desenvolveram a tal ponto suas concepções artísticas, filosóficas e sociais.